sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Novo livro de ciberjornalismo

Ciberjornalismo de proximidade: Redações, jornalistas e notícias online” é a mais recente publicação na área, da autoria de Pedro Jerónimo, membro do ObCiber.
Este é o resultado do estudo desenvolvido no âmbito da sua tese de doutoramento – Informação e Comunicação em Plataformas Digitais – defendida na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, no início de 2014.
O livro está disponível para download gratuito, através da Editora LabCom.IFP.
Fonte: Obciber

Universidade Federal da Paraíba divulga seleção para mestrado profissional em Jornalismo

O PPJ (Programa de Pós-Graduação em Jornalismo) da UFPB divulgou seu edital de seleção para aluno regular. O edital oferece 15  vagas para aluno regular do PPJ. As inscrições ocorrerão de 30 de novembro a 11 de dezembro, na secretaria do programa, localizada no CCTA/UFPB. A taxa (GRU) de inscrição é R$ 50,00.

A seleção destina-se a graduados em Jornalismo e em outras áreas cujos cursos tenham sido realizados em instituições reconhecidas pelo MEC e que tenham estudos e/ou atuação convergente com  o campo do Jornalismo. O edital encontra-se disponível para download

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

O papel do assessor de imprensa durante realização de feira e eventos

Com pouco mais de um ano de formada voltei à sala de imprensa, e daquela vez trabalhando na maior feira do automobilismo do Brasil – o Salão do Automóvel, isso já há uns bons anos. Como fiquei cansada naquele dia! Ia muitas vezes ao estande levar jornalistas até lá, falei com várias dezenas de jornalistas sobre os lançamentos, marquei em meu mini-caderno um monte de e-mails, e então comecei a me relacionar com muitos jornalistas.
Voltei a frequentar cotidianamente esse ambiente há quatro anos, e pouco a pouco percebi o quão obsoleta a sala de imprensa se tornou. Esse espaço antes frequentado por muitos colegas e assessores de imprensa, hoje pouco recebe jornalistas. A grande mídia só coloca suas câmeras em um evento quando um chefe de Estado passará por lá, ou quando há um fato noticiado fora daquele ambiente que pode ser desdobrado ali (isso é uma grande sorte!), com fontes e personagens que lá se encontram. Enfim, o que fazer com a comunicação institucional voltada a feiras, o que fazer em uma sala de imprensa hoje em dia?
Seu cliente acha importante estar na sala de imprensa? Vá, mas não crie expectativas.
Faça a lição de casa: com pelo menos dois meses de antecedência questione seu cliente sobre o que ele espera do evento, quais são os produtos em destaque e, juntos, criem um viés de comunicação. Só a partir daí se prepare, porque com essas informações você pode criar a estratégia de follow-up e um mailing que lhe trará maior assertividade.
party-pr(Imagem: ella-lapetiteanglaise.com)
(*) Diretora na Agência BIO Comunicação.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Segunda sessão do AntropoCine - Ciclo de Cinema e Debates Antropológicos acontece em 4 de novembro

A próxima edição do projeto Antropocine convida o público para a exibição seguida de debate do filme Jaguar, uma produção de Jean Rouch. 

O evento vai ocorrer na próxima quarta-feira, 4 de novembro, às 17H30, no CINE UFG, localizado no Campus Samambaia.

 
A curadoria desta edição é do professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG, Samuel de Jesus, que também vai debater o filme.


A entrada é gratuita e os participantes vão receber certificado. 

Curta e compartilha nossa página ajudando na divulgação do evento.


Via Antropocine

domingo, 25 de outubro de 2015

Analista/Jornalista (PCD)


Nível superior completo em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo. Experiência em Comunicação Interna e Externa nas Organizações. Cadastrar currículo no site: www.mutua.com.br/PSE17 Analista Jornalista (PCD), até 04.11.2015.

Fonte: Correio Braziliense.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Federais estarão em peso na cúpula de universidades do Brics

Maria Prokofieva, especial para Gazeta Russa
 
Delegação brasileira participará de encontro na Rússia sobre educação e intercâmbio entre os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Primeiro evento do grupo nesse formato deve resultar em acordo para criação de Universidade dos Brics.

Ministro Aldo Rebelo vai liderar a delegação brasileira
 Foto: Giba/ Ascom/ MCTI/Flickr Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação
 
De 26 a 28 de outubro, especialistas das universidades federais de Brasília, Ceará, Goiás, Minas Gerais, Pelotas e São Carlos, entre outras, discutirão temas como acesso à educação, intercâmbio acadêmico e atração de jovens para a política, durante a cúpula universitária global dos Brics, em Moscou. O evento reunirá mais de 400 representantes dos países-membros do grupo.

“No nosso caso, tivemos cuidado para convidar instituições representativas de várias regiões do país, tendo em  vista a diversidade do Brasil”, disse à Gazeta Russa Maria Leticia Mazzucchi Ferreira, chefe do departamento de relações internacionais da Universidade Federal de Pelotas.

Como representante do Brasil na sessão sobre “Política de juventude: o papel de jovens líderes na construção da agenda global de união do Brics”, Ferreira irá apresentar um projeto que surgiu em 2014 a partir de ex-estudantes do programa “Ciência Sem Fronteiras” que enfrentavam dificuldade de aplicar seus conhecimentos na volta ao país.

“Eles construíram uma rede de cooperação e estimulo à internacionalização, funcionando como uma espécie de conselheiro e facilitador para os estudantes que vivem essa realidade”, contou. “E essa experiência é importante na formação de jovens líderes, que é um principio dos Brics. A cooperação entre nosso países abrem novos campos e perspectivas aos jovens brasileiros.”

A intenção de criar uma rede educacional dos Brics para estimular trocas nas áreas de educação e ciência foi também anunciada pelo representante da chancelaria russa Pável Kniazev durante o Fórum de Universidades do Brics, que termina nesta segunda-feira (19) em Pequim, na China.

“O alargamento da cooperação entre os Brics em ciência e educação reflete uma tendência comum que existe no grupo”, disse o diplomata. Energia, tecnologia de informação, ecologia e mudanças climáticas estão entre as áreas prioritárias de cooperação.

Leia a íntegra

Bloomberg busca repórter no Brasil

Jornalistas experientes com fluência em inglês e português podem se candidatar a este emprego.

A agência Bloomberg busca um um repórter para cobrir a indústria mineradora no Rio de Janeiro.
Entre as responsabilidades estão reportar sobre Vale SA e os produtores domésticos de aço. O candidato selecionado também vai escrever sobre petróleo, gás, indústrias de energia de forma mais ampla e estar disposto a cobri as últimas notícias do Rio de Janeiro.

Os interessados devem ter experiência em jornalismo financeiro. Conhecimento da indústria mineradora é vantajoso.

Para mais informações (em inglês), clique aqui.

Para jornalista, repressão na periferia é ignorada pela grande mídia

A Semana de Comunicação da Faculdade do Povo de São Paulo (Fap-SP), realizada de 5 a 9 de outubro, recebeu o jornalista Fausto Salvadori Filho, um dos fundadores da Ponte Jornalismo, site de Segurança Pública e Direitos Humanos, focado na realidade das populações das periferias.
O jornalista falou sobre o desenvolvimento, as dificuldades e os bastidores das coberturas feitas pela Ponte, que muitas vezes aprofundam problemáticas ignoradas pela grande imprensa. “O foco dos grandes veículos é a violência que atinge a classe média. Para eles, mais vale um morto em um bairro nobre que dezenas de mortos em uma região da periferia”, destacou.
fausto-salvadori-filhoFausto Salvadori Filho durante conversa com estudantes de jornalismo (Imagem: Divulgação/Fap-SP)Salvadori Filho falou sobre os profissionais que compõe a equipe da Ponte e as repercussões de algumas matérias publicadas no site. Ele relembrou o caso do jovem José (nome fictício), um garoto negro que foi preso injustamente acusado por roubo de carro, em março do ano passado. Após a matéria feita pela Ponte, provando sua inocência, o jovem foi libertado. 
“É raro termos uma resposta tão rápida e fácil com o trabalho, como tivemos naquele caso”, disse. Na ocasião, um vídeo produzido por outros dois fundadores da Ponte foi apresentado à Justiça como prova da inocência do garoto.
Ao conversar com estudantes da Fap-SP, o palestrante revelou que os integrantes da Ponte definem as atividades do site não mais como as de um coletivo, mas como de “uma facção de jornalistas que quer contar histórias que não são contadas normalmente”.
O repórter afirmou que não sofre a repressão que aflige a população das periferias, por ter nascido no interior, ser branco e “ter cara de ‘nerd’”. A respeito disso, ele questionou os alunos da faculdade, moradores da periferia, sobre a visão que eles têm sobre o jornalismo policial.
Jornalista há 16 anos, Salvadori Filho trabalhou como repórter e editor em diversos sites, revistas e jornais, com passagens pelas redações de veículos como Folha de S. Paulo, Vice, Galileu, Trip, TPM, Metro e Jornal da Tarde. Desde 2008, é jornalista concursado da Câmara dos vereadores de São Paulo. Em 2013, recebeu menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog, pela reportagem “Em busca da verdade”, publicada pela revista Apartes.
(*) Integrantes do projeto ‘Correspondente Universitário’ do Portal Comunique-se. Estudantes do 5º semestre de jornalismo da Faculdade do Povo de São Paulo (Fap-SP).
Participou de algum evento relacionado à comunicação social e deseja colaborar com o formato 'Correspondente Universitário'? Produza seu texto e envie o material para jornalismo@comunique-se.com.br - com o título do projeto no assunto e aos cuidados do editor Anderson Scardoelli.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

IF Baiano: vaga para redator

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano) está com inscrições abertas para o concurso que oferece uma vaga para o cargo de Revisor de Texto, que pode ser concorrido por quem tem os cursos de Comunicação Social ou de Letras. 

CARGO: Técnico-Administrativo em educação/ Revisor de Texto (Graduação em Comunicação Social ou em Letras).

SALÁRIO: R$ 3.666,54 (vencimentos básicos) + percentual de Incentivo à Qualificação para os candidatos que possuam escolaridade superior à exigência mínima para ocupação do cargo (5% a 75%) do vencimento básico + R$ 373,00 (auxílio alimentação) + auxílio transporte + assistência suplementar a saúde.

“A informalidade é cada vez mais necessária e vou levá-la para o ‘Rede TV News’”, diz Luciano Faccioli

Superintendente de jornalismo e esportes da Rede TV, Franz Vacek oficializou importante alteração no principal telejornal da casa. A partir de agora, o público vai receber as informações do jornalístico por meio de apresentação de Luciano Faccioli, que acaba de assumir a atração ao lado de Amanda Klein. Com a decisão, a principal mudança será no tom do programa, que passa a ser um pouco mais informal. A característica, inclusive, é vista pelo âncora como necessária.
faccioli-redetvnewsFaccioli está na Rede TV desde maio deste ano
(Imagem: Divulgação/Rede TV)
Foi para falar sobre a mudança que a reportagem do Portal Comunique-se conversou com Faccioli na tarde desta quinta-feira, 15. Durante a entrevista, ele explica que a oportunidade chegou por meio de convite de Vacek. "Ele (o superintendente) já tinha comentado que gostaria de me envolver em outros projetos, mas eu não sabia o que era. Estou extremamente feliz, inclusive porque a emissora me dá total liberdade para fazer o trabalho como acredito que deve ser".
À frente do noticiário exibido em pleno horário nobre, Faccioli revelou quais são seus objetivos. O primeiro deles, e do qual não abre mão, é levar para a apresentação mais informalidade. "Só sei trabalhar assim. A informalidade é cada vez mais necessária. O jornal precisa ser mais conversado, coloquial e participativo".
De acordo com o jornalista, a ideia é que o telespectador da Rede TV possa participar cada vez mais do diálogo promovido pelo programa - neste ponto, as redes sociais serão aliadas. Ele diz, ainda, que vai focar no projeto de alavancar cada vez mais a audiência do canal.
Leia a íntegra.

Professora da FIC/UFG participa de evento em Portugal




Eliany Alvarenga apresentou trabalho no encontro científico “Humanidades Digitais”.

Eliany_Portugal

A professora Eliany Alvarenga, coordenadora do Curso de Gestão da Informação e vice-diretora da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal de Goiás (FIC/UFG), participou, nos dias 8 e 9 de outubro, em Portugal, do evento cientifico “Humanidades Digitais”. Ela apresentou o trabalho de pesquisa, realizado em parceria com o Prof. Dalton Martins, também do Curso de Gestão da Informação, intitulado "Visualizando estratégias de ocupação e articulação em redes sociais públicas no Brasil: Cultura DigitalBR e HumanizaSUS".
Fonte : FIC/UFG

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Programa de estágio da Pirelli tem vagas em Jornalismo, Marketing e Publicidade


----------pirelliPrograma quer desenvolver jovens potenciais
(Imagem: Divulgação)
A empresa, que atua no segmento de pneus, tem 19 fábricas em todo o mundo e opera em mais de 160 países. As oportunidades são reservadas a estudantes dos estados de São Paulo (Santo André, São Paulo e Campinas), Bahia (Feira de Santana) e Rio Grande do Sul (Gravataí) com conclusão do curso prevista para dezembro de 2017 e junho de 2018.

“Nossos gestores estão sempre à disposição para auxiliar no aprendizado e aprimorar as habilidades profissionais dos nossos estagiários”, diz o site do programa. “Criatividade, pro atividade, motivação e velocidade são características importantes para que você possa se tornar um Pirelliano”.

O processo seletivo contará com testes online de conhecimentos gerais, dinâmicas de grupo e prova de redação e inglês, além de painel com gestores e setor de Recursos Humanos da empresa. A Pirelli oferece bolsa-auxílio que pode chegar até R$1.500, dependendo da área de atuação, e benefícios como seguro de vida, assistência médica, restaurante no local e auxílio transporte.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

12º. Conpeex da UFG divulga programação

O Conpex - Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão é o principal evento acadêmico da UFG, realizado anualmente e tem como objetivo a divulgaçãoda produção acadêmico-científica-cultural da instituição.
  
O tema escolhido para 2015  LUZ, CIÊNCIA E VIDA, conforme recomendação do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação- MCTI,  Que comemora em 2015 o ano internacional da luz.

A Programação Geral consta de conferência de abertura, mesas-redondas, apresentações de trabalhos científicos, oficinas, minicursos, seminários e programação cultural.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Ciberjornalismo de proximidade: download grátis

por Pedro Jerónimo
Colecção: Jornalismo
Ano de edição: 2015
ISBN: 978-989-654-251-1


O estudo que aqui damos eco, resultou de um percurso no qual se procurou responder a duas grandes questões: Que tipo de conteúdos produz a imprensa regional no âmbito do ciberjornalismo? Quais são os fatores que determinam as rotinas de produção do ciberjonalismo na imprensa regional? Pese embora o objetivo fosse partir em busca do desconhecido, procurando responder às questões formuladas, existiam algumas expetativas, resultantes daquilo que têm sido os estudos sobre ciberjornalismo, imprensa regional e jornalismo de proximidade. Assim, esperava-se que as notícias fossem o conteúdo mais frequente nos cibermeios da imprensa regional – essencialmente devido à transposição a partir do meio tradicional – e que a tradição de produção para o papel, os recursos humanos e o tempo fossem os fatores que mais determinariam as rotinas de produção ciberjornalística.


- See more at: http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/148#sthash.2ziFbpiW.dpuf

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Revista ÂNCORA publica chamada de trabalhos para 2016 e 2017


A Revista Latino-americana de Jornalismo - ÂNCORA realiza chamada de trabalhos acadêmicos para as próximas  três edições (2016 e 2017) tendo como tema reflexões sobre JORNALISMO em ambientes MULTIPLATAFORMA.

O Volume 3, Número 1 (2016) de ÂNCORA será dedicado aos estudos relacionados aos Conceitos e experiências de Jornalismo Multiplataforma.

O Volume 3, Número 2 (2016) terá eixo temático - Mobilidades no Jornalismo e o Volume 4, Número 1 (2017) versará sobre Jornalismo e Acessibilidade em Ambientes Multiplataforma.

domingo, 4 de outubro de 2015

Cadastro de reserva para jornalista: CRF/SP


Tem oportunidade para jornalista no Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo (CRF – SP). No entanto, não há vagas imediatas, é apenas para formação de cadastro de reserva. As provas e as vagas (caso surjam durante a validade do concurso) serão na cidade de São Paulo – SP.
CARGO: Jornalista
VAGAS: formação de cadastro de reserva (22 de ampla concorrência, 06 para negros/ índios e 02 para portadores de deficiência)
SALÁRIO: R$ 4.039,73
CARGA HORÁRIA: 40h semanais
INSCRIÇÕES: de 14 de setembro a 13 de outubro, no site do Instituto Qualicon

Unemat abre processo simplificado seletivo para professores de jornalismo


Universidade do Estado de Mato Grosso - Unemat lança edital para seletivo de professores para disciplinas em Alta Floresta. As provas também serão em Alta Floresta.

Período das inscrições: 01/10/2015 a 09/10/2015

- Aplicação da Prova Escrita e entrega do Curriculum na Plataforma Lattes e dos documentos comprobatórios de títulos para Avaliação de Títulos: 13/10/2015 às 8h.
- Divulgação do resultado da Prova Escrita: 13/10/2015 a partir das 17
- Realização da Prova de Desempenho Didático: 14/10/2015 a partir das 8h
São 3 vagas para as disciplinas (conteúdo das provas):
Área Comunicação Social Aplicada I - Planejamento Gráfico II
1. Produção de página de jornais e revistas;
2. Programação visual de folders, folhetos e jornais;
3. Inter-relação entre diagramação de material jornalístico e publicitário
Área Comunicação Social Aplicada III – Assessoria de Imprensa e Comunicação
1. Assessoria de imprensa: relacionamento entre o cliente e o veículo;
2. Produção de house organs, releases e outros produtos para a empresa ou instituição;
Área Comunicação Social Aplicada IV – Jornalismo e Comunicação de Turismo
1. Pauta, reportagem e redação em jornalismo de turismo;
2. Os riscos da dissolução do jornalismo em material publicitário. 

Chamada de trabalhos: Rádio-leituras


A Revista Rádio-Leituras está  com chamada de trabalhos aberta até dia 30 de outubro. A edição 2015.2 inclui um dossiê rádio e esporte e uma seção de temas livres. As diretrizes para autores, assim como as edições anteriores estão disponíveis no endereço http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/radio-leituras. Podem ser submetidos originais em português, inglês ou espanhol. As submissões podem ser realizadas pelo sistema e informações podem ser obtidas pelo email radioleituras@gmail.com.

Rádio-Leituras é publicada pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto e pelo Grupo de Pesquisa Convergência e Jornalismo e conta com apoio do GP de Rádio e Mídia Sonora da Intercom.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Unemat - Alto Araguaia promove I Prêmio ExpoJor


Neste ano a Universidade do Estado de Mato Grosso - Campus Alto Araguaia (Unemat/Aia) promove o 1º Prêmio Expojor, como parte do 10º. Simpósio de Jornalismo, que acontece de 27 a 29 deste mês. Nesta primeira edição, serão premiados:
1) O melhor trabalho de pesquisa de estudantes de graduação
2) O melhor projeto experimntes de graduação.
Veja aqui o regulamento da seleção.

Leia também: 10 anos não são 10 dias.

Folha abre inscrições para 60ª turma do Programa de Treinamento


Estão abertas, até o dia 27 de outubro, as inscrições para o Programa de Treinamento em Jornalismo Diário da Folha de 2016.

Os candidatos devem preencher o cadastro disponível no site do Treinamento (http://treinamento.folha.com.br/programadetrainee/).
A Folha seleciona até 15 trainees por turma. Os participantes podem ser estudantes ou formados em qualquer área, não apenas jornalismo.
O processo seletivo é dividido em três fases. Todos os candidatos fazem uma prova on-line, com 60 questões. Os mais bem classificados são convocados para um exame presencial. Depois, os melhores participarão de atividades na sede da Folha. Os candidatos também serão entrevistados e passarão por avaliação de inglês.
No programa, que tem 16 semanas, os participantes têm aulas de direito, história, economia e língua portuguesa, além de realizarem atividades na Redação e publicarem um produto final. O jornal bancará estadia em hotel para os candidatos de fora de São Paulo.
O Programa de Treinamento não é estágio e não é remunerado. Trata-se de um curso de formação jornalística promovido pela Folha, com o patrocínio de Friboi, Odebrecht e Philip Morris Brasil.

Unemat lança 4ª edição da Revista Comunicação, Cultura e Sociedade


por Nataniel Zanferrari
O curso de Jornalismo da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), do Campus Universitário de Alto Araguaia, lançou a quarta edição da revista científica Comunicação, Cultura e Sociedade, intitulada ‘Mídia, movimentos sociais, espaço urbano e cidadania’, organizada pelos professores Lawrenberg Advíncula da Silva e Rafael Rodrigues Lourenço Marques. Ao todo, foram contemplados oito artigos e três resenhas de pesquisadores de instituições de Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo.
Confira abaixo o texto da abertura desta edição:
Mídia, movimentos sociais, espaço urbano e cidadania
A IV Edição da Revista Comunicação, Cultura e Sociedade teve como dossiê central Mídia, Movimentos Sociais, Espaço Urbano e Cidadania, visando a problematização da informação na sociedade atual.
Considera-se a capacidade de interferência dos processos de comunicação em sua intersecção à noção de cidadania e de participação popular nos mais distintos estratos da população brasileira.
A grande mídia (a televisão, o rádio, a imprensa escrita) e as redes sociais da internet seriam diretamente responsáveis pela construção da identidade do sujeito contemporâneo, bem como, pela legitimação das formas de agir deste último, na medida em que a difusão de conteúdos propicia uma maior interação de ideias, pensamentos e valores.
Por outro lado, o olhar sobre a atuação destas mídias exige-nos uma análise crítica em relação as suas práticas de regulação e intermediação sobre o que é de interesse público. Dos quais, mais consequentemente, tendem a alterar e deturpar as fronteiras ainda existentes entre as benesses da visibilidade em escala planetária e as agruras da vigilância total – e integral. 
Os textos presentesdesta edição, além de refletirem integral ou parcialmente o debate exposto, assinalam também perspectivas distintas no que tange os processos de comunicação enquanto mediadores de identidades culturais e novos ativismos sócio-históricos, considerando a atual crise de proposituras metodológicas e conceituais do campo da Comunicação frente os últimos acontecimentos. 
Editores e organizadores: Lawrenberg Advíncula da Silva e Rafael Rodrigues Lourenço Marques.
Veja o sumário: 

Artigos

Informação sob demanda: novas plataformas para uma comunicação digital personalizadaPDF
Eduardo Fernando Uliana Barboza, Ana Carolina Araújo Silva
O conceito de glocal e as práticas jornalísticas em agências de notícias, correspondentes internacionais e portais regionaisPDF
Filipe Norberto Ribeiro Soares
O PROCESSO LEGISLATIVO BRASILEIRO E A COMUNICAÇÃO: OS REFLEXOS NA SOCIEDADESEM TÍTULO PDF PDF
Vanessa Bolico da Silva
Facebook como espaço de luta por uma nova lei de ComunicaçãoPDF
Antonia Alves Pereira
Maracatu Encanto da Alegria: a economia criativa e o desenvolvimento local da Bomba do Hemetério no Recife-PE.PDF
João Gabriel Silva Brito
O trabalho como dispositivo e o discurso policial sobre os “ilegais”: a representação midiática dos bolivianos em oficinas clandestinas no Brasil.PDF
Bruno Costa Maya
Cavalhada de Poconé-MT: tradição medieval, folkcomunicação e espetáculoPDF
Lawrenberg Advincula da Silva
A Comunicação Radiofônica segundo moradores de uma comunidade rural em Chapada dos Guimarães-MTPDF
Walmir Santana, Rafael Rodrigues Lourenço Marques

Resenha

CHIAVERINI , Tomás. Rave:os bastidores da festa proibida. Ediouro: São Paulo, 2009PDF PDF
Lázaro Gomes de Sousa, Alfredo José Lopes Costa
PIZA, Daniel. Jornalismo Cultural.PDF
Ulisflávio Evangelista Evangelista
Mangá em Cuiabá: Percurso de Mundialização e ConsumoPDF
Taís Maria Ueta

DPE-SP abre concurso para jornalista e RP


Defensoria Pública do Estado de São Paulo (DPE-SP) lançou edital do concurso que oferece uma vaga para Jornalista (apesar do cargo se chamar Comunicação Social) e uma para Relações Públicas. Salário: R$ 5.500. INSCRIÇÕES: até o dia 9 de outubro, no site da FCC

IF Baiano: vaga para Redator


O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano) está com inscrições abertas para o concurso que oferece uma vaga para o cargo de Revisor de Texto, que pode ser concorrido por quem tem os cursos de Comunicação Social ou de Letras.

Via Jornalistas Concurseiros.

Cinco livros (e + cinco artigos gratuitos) sobre métodos digitais de pesquisa

As mídias sociais trouxeram possibilidades e desafios muito relevantes para a pesquisa empírica em comunicação e demais ciências sociais aplicadas. Em alguns ambientes hoje fala-se muito com termos e jargões de mercado como social big data mas, apesar da grande abundância de dados produzida a cada segundo, existem muitas restrições à viabilidade destes dados. Especialmente nos dois âmbitos a seguir. O primeiro é o acesso em si a estes dados, uma vez que, além das questões de privacidade, algumas plataformas como Facebook promovem o gradual fechamento de seus fluxos de comunicação. O segundo é o ferramental metodológico e instrumental para acessar, manipular e transformar estes dados em informações, conceitos, teorias e aplicações levando em conta as affordances destes ambientes.
Levando isto em conta, quero indicar aqui cinco livros recentes sobre métodos digitais que podem ser o pontapé inicial da bibliografia do pesquisador interessado nestas trajetórias.

Inscrições abertas a programa de estágio da Editora Globo

Universitários com formação prevista entre dezembro de 2016 e julho de 2017, bom texto e inglês avançado podem se inscrever ao Programa de Estágio Editora Globo e Edições Globo Condé Nast 2016.
O programa da Editora Globo tem duração de um a dois anos, oferecendo avaliação e acompanhamento constante do desempenho; treinamentos, oficinas, workshops e palestras; desenvolvimento de projetos; e rodízio entre as áreas. O estágio em jornalismo será realizado em São Paulo e no Rio de Janeiro.
Os interessados podem se inscrever nas áreas Jornalismo, Design, Digital, Tecnologia, Produção Editorial, Jurídico, Financeiro, Marketing, Mercado Anunciante (Comercial), Mercado Leitor e Tecnologia Digital.
Os participantes devem trabalhar de segunda a sexta-feira, seis horas por dia e em horários flexíveis e recebem os seguintes benefícios: bolsa-auxílio; restaurante no local; vale transporte ou estacionamento; seguro de vida; e férias remuneradas.
As inscrições vão até 31 de outubro. O programa começa no dia 13 de janeiro de 2016.
Para mais informações, clique aqui.

Notícia em fragmentos: Análise de conteúdo no jornalismo

Notícia em fragmentos: Análise de conteúdo no jornalismo

Série Jornalismo e Sociedade Volume 2

Organizadora: Thaïs de Mendonça Jorge
ISBN: 978-85-7474-819-1
Páginas: 336 il.
Peso: 445g
Ano: 2015
Ilustração capa: Shutterstock
Insular Livros

A ideia de publicar uma série de livros com temáticas convergentes surgiu na” Linha Jornalismo e Sociedade” – uma das quatro Linhas de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Brasília. Visava reunir as pesquisas dos professores que, muitas vezes, não conseguiam se adequar aos cronogramas das casas publicadoras. 

Os artigos reunidos em Notícia em fragmentos. Análise de Conteúdo no jornalismo passaram por uma seleção por assunto, método e proposta dos autores. A AC é uma ferramenta muito utilizada no exame e interpretação de material jornalístico. O objetivo desta obra é o de apontar como a AC pode ser empregada em diferentes corpora, a distintos temas, em situações que dependem do problema que o pesquisador se propõe a deslindar.


Empresas perdem sentido e os jornalistas, seus empregos


Antes de tudo, minha solidariedade às centenas de profissionais demitidos pelas empresas convencionais de comunicação. E, se isso ajudar de alguma forma, saibam que suas demissões pouco têm a ver com as razões apresentadas pelo patronato. Nada de queda de faturamento, concorrência com a internet, diminuição do número de anunciantes e leitores etc etc A verdade é outra e discutir alguns de seus aspectos mais amplos ajuda a entender o cenário em que nos encontramos.
A mais importante razão para o fechamento em massa de postos de trabalho é o posicionamento político radical da indústria de comunicação. A maior parte do que se noticia ou se deixa de noticiar nestes meios, em especial em matéria de política e de economia, está sujeita a este posicionamento, e não a tradicionais critérios jornalísticos.
Em grande medida, a informação publicada é um ato de fé e de interesse corporativo, que se enquadra em um sistema de ideias. Quem lê ou ouve uma notícia tem de se esforçar para separar o fato objetivo de sua interpretação ideológica.
Sempre foi assim na América Latina. Na ausência de instituições político-partidárias capazes de tecer uma narrativa lógica de sua forma conservadora e reacionária de ver o mundo, entram em ação os conglomerados de mídia para ocupar esse espaço.
Antes, reuniam-se na Sociedade Interamericana de Imprensa para jogar a sua parte na Guerra Fria. Agora, organizam-se no Grupo de Diários Américas para combater os mandatários que sucederam os governos eleitos na onda neoliberal dos anos 1990. Seus alvos preferidos são os governos de Argentina, Bolívia, Brasil, Equador, Paraguai (este deposto por uma articulação em que as empresas de comunicação tiveram papel destacado), Peru, Venezuela e Uruguai.
Não é de se estranhar, assim, o que revelam pesquisas de confiança do leitorado. Elas apontam que boa parte do que é publicado vêm rapidamente deixando de fazer sentido para seus leitores, enfastiados de uma cobertura que se caracteriza por uma visão pré-concebida da realidade, recheada de preferências particulares e, muitas vezes, pouco vinculada à realidade factual.
Outras fontes de informação passam, então, a produzir sentido – como os inúmeros informativos gratuitos distribuídos pela internet, celulares etc. Ainda que eventualmente parciais, muitos deles assumem que posição defendem. Ao contrário da mídia convencional, não se arrogam o status de oráculo da verdade, de bastiões da informação crível e de guardião das instituições democráticas.
Blogs, sites e que tais têm seu valor justamente por serem apenas o que são, como atestam seu crescente impacto informativo. Por que então optar pela velha mídia convencional ideologizada?
É emblemático – inclusive por razões históricas – que o mais recente passaralho de grandes proporções ocorra n´O Globo. Ele é uma espécie de núcleo duro ideológico da holding Globo, a maior de sua área no Brasil, que por sua vez inspira politicamente os demais grupos do setor. Mais cedo ou mais tarde, as principais posições políticas do grupo Globo acabam mimetizadas pelas demais empresas.
É a segunda vez em 2015 (a primeira ocorreu em janeiro) que O Globo varre de seus quadros, numa onda só, dezenas de profissionais de imprensa – outras empresas do grupo fizeram o mesmo, mas dissimuladamente. Somando os dois tisunamis, foram quase 80 profissionais da redação mandados embora.
Os concorrentes miméticos d´O Globo seguem caminho semelhante, às vezes por razões distintas. No Rio de Janeiro, foi o caso do recentemente falecido Brasil Econômico, de O Dia e do provedor de acesso à internet IG, pertencentes à Portugal Telecom (PT). A PT investiu em mídia no Brasil buscando influência política para operar a telefônica Oi, em que detém cerca de 30% do capital votante. Sabe-se lá o porquê, a posse dos veículos de comunicação perdeu sentido para a PT, que não hesitou em fechar o BE e deixar o tradicionalíssimo O Dia em estado de alerta.
Em um ano, perto de dois mil postos de trabalho de jornalistas foram fechados no Brasil.
Pelo seu peso específico, o grupo Globo – pertencente à família mais rica do Brasil, segundo a Forbes – é o ator emblemático nesse movimento de perda de sentido das empresas de comunicação e dois momentos são particularmente especiais para exemplificar a repulsa à cobertura de O Globo e a consequente e imediata queda de sua audiência.
O primeiro é a capa do jornal em 17 de outubro de 2013, um dia após a PM ter desocupado a escadaria da Câmara dos Vereadores do Rio, onde centenas de manifestantes se reuniam pacificamente havia semanas. O Globo criminalizou preventivamente e violentamente os manifestantes. Desconsiderou que, culpados ou não, eles ainda precisariam ser julgados pela Justiça.
As consequências foram imediatas. Primeiro, repórteres que vão às ruas cobrir a realidade que a direção do jornal despreza queixaram-se do tratamento editorial das prisões. As caixas de email da redação foram entupidas de mensagens reclamando do tratamento dispensado aos manifestantes (todos foram soltos por falta de provas). E, nos dias seguintes, multiplicou-se por quase 20 o número médio de pedidos de cancelamento de assinaturas.
O jornal não reorientou sua cobertura e simplesmente optou por bloquear os sistemas de recebimento de e-mails e de pedidos de cancelamento.
Leia mais sobre o segundo momento, que se deu no início de agosto de 2015.